Neste artigo, eu falo sobre a nossa mania de terceirizar os nossos erros e n√£o assumir a responsabilidade pelos problemas do dia-a-dia. Fica aqui o convite para pararmos de apontar dedos para os outros e assumir uma atitude mais protagonista em nossas vidas.

 

    1. Pare e reflita antes de culpar o outro

Você já percebeu que quando você aponta o dedo para alguém, há três dedos apontados de volta para você?

Pois √©…

√Č muito f√°cil ficar criticando os outros ou o contexto onde estamos inseridos quando algum problema acontece.

No entanto, nós devemos sempre refletir se o erro realmente está no outro ou se vale a pena parar um pouquinho e olhar para dentro para ver se fizemos algo que pode ter influenciado negativamente a situação.

 

¬† ¬† 2. Percep√ß√Ķes x Realidade

Sempre que algo acontecer, tente discernir¬†e saiba se voc√™ est√° agindo em rela√ß√£o a realidade ou apenas a percep√ß√Ķes que voc√™ tem sobre o assunto.

Tudo na vida se resume a¬†interpreta√ß√Ķes que fazemos¬†dos¬†fatos e mudar um pouco a pr√≥pria vis√£o ajuda a n√£o culpabilizar as pessoas e as situa√ß√Ķes erradas.

“√Č f√°cil demais apontar falha e culpar os outros. Dif√≠cil √© fazer uma autocr√≠tica e reconhecer que o erro muitas vezes vem de n√≥s” –¬†√ćsis Guerra

 

    3. Seja protagonista

Tente enxergar o melhor momento de chamar a responsabilidade para si… Dessa forma, voc√™ ter√° mais poder para resolver os seus problemas j√° que vai depender somente de voc√™.

Quando voc√™ assume o papel principal das suas a√ß√Ķes, passa a ter mais consci√™ncia em rela√ß√£o aos acontecimentos.

“O que √© necess√°rio para mudar uma pessoa √© mudar sua consci√™ncia de si mesma”. –¬†Abraham Maslow

 

    4. E quando o problema não for eu?

√Č muito mais f√°cil identificar o problema quando ele est√° nos outros.

Porém, sempre que você tiver certeza de que o problema está no outro, tente influenciá-lo a mudar de forma consciente e entender o valor daquela mudança.

 

     5. Seja menos crítico

Um dos maiores autossabotadores que existe na vida é o poder da crítica.

Nós temos o hábito de sair culpando, não somente nós mesmos, mas também, o outro.

Assim, é importante começar a ter uma visão menos crítica, pois isso vai te agregar muito valor e você passará a ser mais auto reflexivo.

Lembre-se…

A¬†pr√°tica dessas auto reflex√Ķes te ajudar√° a lidar de maneira mais f√°cil com as in√ļmeras situa√ß√Ķes que v√£o aparecer na sua vida.

 

     6. Problema x Oportunidade

Aprenda a enxergar os desafios do dia-a-dia n√£o como problemas, e sim como oportunidades.

O aprendizado ser√° muito maior se voc√™ mudar a lente de como enxerga as situa√ß√Ķes ao seu redor, pois al√©m de gerar valor pessoal, isso te far√° crescer de forma r√°pida e sustent√°vel.

 

      7. Exercício diário

Por fim, torne isso um exercício diário.

Num primeiro momento, isso pode at√© parecer algo simples, mas ter√° um valor muito pr√°tico e te ajudar√° a tomar importantes decis√Ķes se voc√™ exercitar de forma correta no seu dia-a-dia.

Isso vai te permitir ter uma reflexão automática do assunto e, assim, você vai investigar as causas dos seus insucessos de forma mais eficiente.

A gente deve sempre colher as boas li√ß√Ķes daquilo que enfrenta, por mais dif√≠cil que seja.

Nascemos para vencer. Faça as escolhas certas.

Ian Borges Lifestyle Strategist


 

Espero que tenha curtido esse artigo! Como presente, gostaria de te oferecer uma sessão de coaching experimental (valor de R$600) gratuita para dar os primeiros passos na direção de uma vida com mais sentido e liberdade.

Nessa sessão, eu vou te ajudar a ser tornar mais protagonista de sua própria vida. Ou seja, descobrir sua arte, conquistar a confiança para se dedicar a um projeto que ame, e modelar seu lifestyle para viver uma vida que valha a pena!

Infelizmente eu n√£o posso garantir que esse presente ainda esteja dispon√≠vel na data que voc√™ estiver lendo esse artigo. Ent√£o espero que entenda que h√° um n√ļmero limitado de sess√Ķes oferecidas e depois, provavelmente, n√£o haver√° mais.

Para agendar um horário, é só clicar aqui. E aí, vamos seguir em frente?


E aí, curtiu o artigo? Deixe seu comentário abaixo e compartilhe com alguém que você acredita que possa ajudar!